A NOSEMA é uma doença grave das abelhas, causada por um microsporidiano

( tipo de fungo) que se reproduz por esporos.

Eles reproduzem-se através do intestino médio da abelha onde  roubam nutrientes e impedem a digestão.

Com muitos organismos a interferir na digestão da 🐝, uma trabalhadora morrerá de fome mesmo quando tiver muito do que comer.


Abelhas famintas não podem prosperar


Uma abelha desnutrida não vive muito tempo.

Em média, a expectativa de vida de uma trabalhadora faminta é reduzida em 50 a 75%.

Além disso as glândulas hipofaringeanas da trabalhadora – que normalmente produzem alimento para as jovens – não conseguem se desenvolver adequadamente.

E como as abelhas trabalhadoras não vivem muito tempo, as novas abelhas trabalhadoras são forçadas a procurar alimentos antes de estarem prontas, o que reduz ainda mais eficiência da colónia.


Se uma colmeia estiver muito infestada de nosema,

essa colónia,

muito em breve deixeirá de existir,

deixando muitas vezes um pequeno grupo de abelhas, talvez uma rainha e algumas crias com um pequeno número de trabalhadores para criar.

A conexão da disenteria

Uma coisa importante para entender sobre a Nosema é que não tem nada a ver com disenteria (diarreia) apesar da sabedoria convencional,

ninguém jamais encontrou um elo científico entre as duas condições uma colónia pode ter Nosema ou disenteria ou ambos, mas um não causou o outro.

Historicamente a Nosema apis e disenteria ocorreram no início da primavera durante o clima frio e húmido, as pessoas associaram que estavam relacionadas.


Quando Nosema ceranae entrou em cena os apicultores notaram que não produzia a disenteria.

Como a Nosema ceranae  afeta as colónias de verão quando a disenteria raramente ocorre, é improvável que as duas doenças ocorram simultaneamente.

Outras pesquisas mostraram que na verdade nenhuma das espécies produz disenteria.

Sintomas e tratamento da Nosema 


Como a Disenteria e a Nosema não estão relacionadas, não se pode simplesmente concluir que a sua colónia está infestada só pela presença de excrementos de abelhas.

De fato a única maneira de diagnosticar a Nosema é preparando uma amostra de abelhas e analisando ao microscópio.

O procedimento não é difícil, por isso mesmo se é um principiante pode facilmente aprender, em alternativa existem alguns laboratórios que fazem isso.

Se descobrir uma colónia que está a encolher rapidamente,

talvez só encontre algumas centenas de abelhas com uma rainha e um pequeno pedaço de ninho

– o teste pode dizer-lhe se os esporos de Nosema estão presentes

A contagem de células padrão, no entanto, não podem dizer qual é a espécie que está presente, mas para fins práticos a espécie não importa muito já que não há antibióticos disponíveis para nenhum deles.

…………………………………………………………………………………………………………

SIM! EU QUERO este GUIA GRATUITO
……………………………………………………………………………………………………..

Nosema é a uma doença oportunista

A Nosema da abelha-de-mel parece ser uma doença oportunista.

Em outras palavras, pelo menos alguns esporos podem ser encontrados na maioria das colmeias.

Surpreendentemente, foram encontradas altas contagens em colónias perfeitamente saudáveis e produtivas, o que nos faz pensar no que desencadeia um colapso.

A Nosema age como se fosse uma constipação comum. Vírus frios estão por toda a parte, mas a maioria de nós raramente apresentar sintomas.

Os profissionais de saúde têm especulado que outras condições como exaustão física, depressão mental, falta de exercício, dieta inadequada tornam-nos mais susceptíveis o mesmo pode acontecer com uma colónia de abelhas.


A doença de Nosema parece ser pior após a exposição a pesticidas, em árvores de forragem pobre ou na presença do Ácaro da varroa.

Faz sentido.

Os pesticidas e forragem fracas enfraquecem o sistema imunológico, enquanto a forragem pobre e o ácaro da varroa  privam as abelhas de uma nutrição adequada. 

Acoplar qualquer um destes com o fungo Nosema que rouba nutrientes tornará a situação ainda pior e talvez a date a baixo.

Como proteger a sua colónia

Como as colónias podem prosperar na presença da Nosema?

Sabemos que as abelhas têm alguma imunidade natural.

A melhor coisa que podemos fazer pelas  nossas abelhas é aproveitar essa imunidade, proporcionando boas condições de vida e minimizando outras ameaças.

Como administrar melhor uma colónia depende do seu clima local, no entanto uma vez que a Nosema é um fungo, é aconselhável manter uma colmeia seca e remover qualquer excesso de humidade

Além disso, o apicultor deve garantir que as suas abelhas têm uma forragem adequada e fornecer Mel quando a forragem é escassa.

Evitar a exposição a pesticida,

controlar o ácaro da varroa

e monitorar as suas colónias para outras condições.

Além disso,

recomenda-se que os apicultores substituam os seus topos (e/ou quadros) de reprodutores mais antigos, REGULARMENTE, se você substituir dois de cada vez desses topos (quadros) por ano, poderá reduzir significativamente o número de esporos de uma colmeia.

Esta tarefa é consideravelmente mais fácil de fazer com as colmeias warré e as colmeias top bar

Nós não temos uma opção mágica para controlar os fungos, mas colónias saudáveis podem afastar qualquer doença ou predador.

Uma colónia saudável tem uma incrível capacidade de cuidar de si mesma, por isso, se fornecermos o básico, as abelhas geralmente podem lidar com o resto.

 E tu, apicultor, já testaste uma colónia com Nosema?

Se sim, quais foram os resultados?

Adoraria ouvir a sua opinião e responder às suas dúvidas, caso elas existam. Deixe um comentário abaixo.

E não deixe de compartilhar esse artigo com os seus amigos e contatos. Use os botões para escolher sua rede social favorita. Ficarei agradecida.

E se você deseja receber as atualizações do blog em primeira mão, não deixe de cadastrar seu e-mail no formulário abaixo ou no topo do site.

É um prazer tê-lo como leitor. Desejo o melhor para a sua vida.

Boa Apicultura

Sónia e Luís Costa


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: